Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

HISTORIAR N

«Para suportar a sua própria história, cada um acrescenta-lhe um pouco de lenda.» Marcel Jouhandeau

HISTORIAR N

«Para suportar a sua própria história, cada um acrescenta-lhe um pouco de lenda.» Marcel Jouhandeau

EFEMÉRIDE

No dia 12 de Maio de 1386, foi assinado, após a vitória anglo-portuguesa em Aljubarrota, o Tratado de Windsor : uma actualização do tratado de aliança com Inglaterra assinado, em 1373, por D. Fernando que, no seu tolo delírio, lutava tal como o duque de Gant pelo trono Castelhano. Ambos exibiam a sua árvore genealógica para reclamarem os direitos ao trono. Fizeram-se, como convinha, amigos, e ambos se atolaram em iniciativas militares mal sucedidas contra Castela.
Na realidade, o que os portugueses parvamente gostam de exibir como a mais antiga aliança do mundo ainda em vigor, não passou de uma aliança táctica que, para parecer séria, meteu casamentos entre as casas reais dos dois países e tudo, mas que de actualização em actualização, cada qual a mais ruinosa e lesiva dos interesses portugueses, tornou século após século, o nosso país numa espécie de protectorado Inglês.
Ou melhor uma nesga de terra economicamente dependente e politicamente tolerada e usada, pelos mais fortes, de acordo com os ventos da História.
O rega-bofe que o Marquês quis civilizar continua. Mas agora é mais civilizado. De tal forma que a maioria nem dá por ele.
Matreiramente conservamos as fronteiras e pelo caminho fomos perdendo o resto.
Mas por cá continuamos, orgulhosamente independentes, pelo menos enquanto outros "valores" mais altos não se levantam, e o o sol Algarvio continuar a servir para aliviar o stress de desempregados, hooligans e outros indesejáveis nos seus países de origem.
Entretanto, o sol é terapêutico e a paz social, um valor inestimável. Por isso, sazonalmente lá vêm eles cobrar a sua parte do acordo, colonizando a única região deste sítio mal frequentado que acham que ainda vale a pena, depois dos grandes negócios dos têxteis do “ Vinho do Porto “e da mão de obra obediente, barata, e desqualificada : o Algarve, que começou por ser  o " el-Gharbe "( oeste em árabe) e avança perigosamente para o All garve.
O campo de férias para onde enviam todos os anos, para tratamento, os seus desperdícios e resíduos humanos que, aqui, temporariamente considerados pelos nativos, estimável gente de bem, são socialmente reciclados. Um banho de auto-estima a baixo preço.
Deve ainda dizer-se que este glorioso tratado a partir de certa altura apenas funcionou num sentido.
Era accionado sempre que tal convinha aos Ingleses, como aconteceu durante a 2ª Guerra Mundial, obrigando Salazar a despir a posição falsamente neutral de Portugal durante o conflito, ao abrir os portos nacionais  aos navios de guerra ingleses; e facilmente esquecido pelos " nossos velhos aliados de sempre ", quando era Portugal a invocá-lo, como aconteceu aquando da ocupação pela União Indiana das " nossas" colónias de Goa, Damão e Diu. O que, diga-se em abono da verdade, foi muito bem feito! Antes os episódios relacionados com as guerras peninsulares, já tinham dado o mote...
Muito mais pacífico e inócuo, pelo menos para a nossa História, foi o nascimento deste vosso escriba, que aconteceu nesse mesmo dia do ano, muitos anos depois….