Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

HISTORIAR N

«Para suportar a sua própria história, cada um acrescenta-lhe um pouco de lenda.» Marcel Jouhandeau

HISTORIAR N

«Para suportar a sua própria história, cada um acrescenta-lhe um pouco de lenda.» Marcel Jouhandeau

SABIAS QUE...

VERDADES DE LA PALISSE

Jacques de la Palisse , um valente general francês notabilizado pelas muitas vitórias que obteve durante as Campanhas de Itália, é o exemplo de como a memória de um homem pode ser adulterada pelo sarcasmo com que as multidões muitas vezes brindam os seus heróis. Basta um pretexto, uma pequena ambiguidade, ou equívoco, para ensombrar, mesmo que de forma cómica, todas as virtudes de um homem. Trata-se da velha questão da fama e do “proveito”.
Como era costume na época, os soldados comandados por Jacques de la Palisse, após a sua morte na Batalha de Pavia, celebraram a valentia do seu general compondo e cantando canções onde se enalteciam as suas principais qualidades guerreiras..
Uma das estrofes de uma dessas canções rezava assim.” S’il n’était pas mort il ferait l’envie “. O que quer dizer que se ele não estivesse morto, faria inveja.
Marotamente, a criatividade popular apercebendo-se da ambiguidade da frase, com uma pequena adulteração, mudou-lhe completamente o sentido. Assim, em vez da frase original, passou a dizer-se por piada, “ S’il n‘était pas mort il serait en vie “ o que quer dizer “ se ele não estivesse morto, ainda estaria vivo.” A língua francesa também tem destas coisas…nascia assim a lapalissada primordial. A mãe de todas as evidências.
Seja como for, esta pequena corruptela fez toda a diferença e projectou para a eternidade a memória de um homem, centrando-a em coisas que ele não disse nem fez. Quanto à sua bravura e clarividência estratégica são muito poucos certamente os que delas sabem.
 A Lenda é de facto mais poderosa do que a História.